Novo método permite que astrônomos observem e estudem as primeiras estrelas e galáxias


 Novo método permite que astrônomos observem e estudem as primeiras estrelas e galáxias
Imagem representativa Crédito de imagem: ANI

Astrônomos, liderados pela Universidade de Cambridge, desenvolveram um método que, segundo eles, permitirá observar e estudar as primeiras estrelas e galáxias e ajudar a explicar como o Universo evoluiu do vazio após a Big Bang ao complexo reino de objetos celestes que observamos hoje, 13,8 bilhões de anos depois.

A metodologia desenvolvida pela equipe liderada por Cambridge permitirá que os astrônomos observem as primeiras estrelas por meio de sua interação com as nuvens de hidrogênio, da mesma forma que inferimos uma paisagem observando sombras no nevoeiro. Suas descobertas são relatadas na revista Nature Astronomy.

'Na época em que as primeiras estrelas se formaram, o Universo era praticamente vazio e composto principalmente de hidrogênio e hélio. Por causa da gravidade, os elementos acabaram se juntando e as condições eram adequadas para a fusão nuclear, que foi o que formou as primeiras estrelas. Mas eles estavam cercados por nuvens do chamado hidrogênio neutro, que absorvem a luz muito bem, por isso é difícil detectar ou observar a luz atrás das nuvens diretamente', disse Eloy de Lera Acedo, do Laboratório Cavendish de Cambridge, principal autor do artigo.



o metodologia desenvolvido por de Lera Acedo e seus colegas faz parte do experimento REACH (Radio Experiment for the Analysis of Cosmic Hydrogen). Ele usa estatísticas Bayesianas para detectar um sinal cosmológico na presença de interferência do telescópio e ruído geral do céu para que os sinais possam ser separados.

fim da prisão

A equipe usou simulações para imitar uma observação real usando várias antenas, o que melhora a confiabilidade dos dados – observações anteriores dependiam de uma única antena.

A construção do telescópio está sendo finalizada na reserva de rádio Karoo na África do Sul, que está longe de interferências de radiofrequência feitas pelo homem (por exemplo, sinais de televisão e rádio FM).

'Estamos extremamente animados para ver o desempenho do sistema e temos plena confiança de que faremos essa detecção indescritível', disse o professor de Villiers, co-líder do projeto na Universidade de Stellenbosch, na África do Sul.

As primeiras observações do REACH são esperadas ainda este ano.

congelada 1 data de lançamento